nibiru

2016 - presente

registro%20de%20performance%202016_edite

Existe um mito contemporâneo do fim dos tempos muito difundido via online sobre um planetoide que colidiria com o planeta Terra, extinguindo assim a vida como a conhecemos. Este corpo celeste é conhecido como Nibiru ou o Planeta X. Existem outras versões do mito de Nibiru que defendem que sua órbita é circundante ou transversal à órbita terrestre. Sendo assim, Nibiru de tempos em tempos se aproxima da Terra, mas não a toca. Pensar na força da presença que, mesmo com certa distância, afeta, atravessa, transforma o sujeito. Não é preciso que Nibiru danifique estruturas físicas para que a iminência de um fim possibilite espaço para se conceber a instauração de novas existências. O projeto Nibiru surge em 2016 como um projeto de arte relacional e se estende através do tempo agregando outras linguagens e camadas de significado. É uma ação que envolve a articulação de diferentes sujeitos, como produtores rurais e feirantes, agentes do sistema da arte e público. O projeto foi pensado para acontecer em diferentes espaços, tendo como estrutura essencial o fato de que o personagem Nibiru oferece ao público alimentos, adaptando-se o formato e particularidades de cada ação ao contexto na qual esta se realiza. 

As peças cerâmicas, máscaras, acessórios e cenários são produzidos pela artista especialmente para a ação dependendo das circunstancias de ativação da obra.

DSC_0481.jpg
DSC_0479.jpg
Arquivo_000 (1).jpeg

Images: Guilherme Castro