TERRITÓRIOS IMAGINÁRIOS de 
AGBÁRA ZEN

 

corpo, cor, fruta, encontro, poder

A exposição reúne trabalhos realizados por Luísa Prestes entre 2013 e 2019, numa multiplicidade de linguagens: técnicas mistas, colagem, gravura, pintura, fotografia analógica. Um todo é produzido como uma parte ao lado das partes no espaço-temporal que imerge o fazer artista. Um movimento reaproxima essas partes, dando forma a uma poética, capaz de exibir suas materialidades, resultados de processos, experimentações e vivências. É na potência dos encontros que agbára desloca seu próprio desejo eremita - arcano maior número 9 - e aproveita o silêncio do fazer estético para obter autoconhecimento. Uma esfera outra em que o planeta nibiru parece existir mesmo. Nesses territórios imaginários imaginantes, nibiru é cruzamento, e hipotético ponto de transição entre mundos. Na colagem Primeira aparição de nibiru (2013) percebe-se a entrada na nave sensorial que a artista seguiu até chegar na pintura amarela fluorescente O ovo é o mundo (2018), em que a ideia parece ser que para nascer temos que destruir um mundo.

Ana Paula da Cunha

Fevereiro de 2019